sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

ABRINDO AS CORTINAS


Vamos abrir as cortinas
Do teatro das cantinas
E dos bordeis dos pensamentos
Muito alegre cantemos
E os nossos versos oferecemos
Para os bons entendimentos

Dos corações que almejamos
Vem aí a troca de anos
E o carnaval logo em seguida
Vou meter-me em fantasias
Pra desfilar em alegorias
Nas passarelas de minha vida

Porque as mulatas do samba
Me deixaram de pernas bambas
Até o dia clarear
Quero roubar um coração
E resolver minha situação
Para a vida inteira sambar!

Escrito as 19:57 hrs., de 15/12/2017 por
Nelson Ricardo

MÁGOAS DE UM SOLITÁRIO


Eu preciso encontrar o meu caminho
Este mundo de tanto espinho
Já encheu meus olhos d’águas
Por todas as tristezas que tenho
E por isso eu venho
Desafogar as minhas mágoas

Da perda da minha amada
Que numa certa madrugada
Pegou sua mala e viajou
Sei lá pra onde ela foi
Saiu sem ao menos me dar um oi
Meu coração quase enfartou

Caí na estrada do mal
Quem sabe agora no natal
Ela se enfeite de flor
E volte pra mim numa boa
Com sua presença em pessoa
Em nome do nosso amor!

Escrito as 10:54 hrs., de 15/12/2017por
Nelson Ricardo

quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

PAPAI NOEL DE SACO CHEIO


E vamos digitar novamente
Talvez a inspiração no repente
Floresça e me de amor e emoção
E haja sorvete numa tarde calorenta
Os sabores são; alho e pimenta
E salve, salve a chegada do verão

Trazendo papai Noel de saco cheio
E mais outro saco pelo meio
O velho Nicolau já está um caco
Séculos e séculos labutando
Perdendo as forças e definhando
Quase já não anda de tão fraco

Venha Noel visitar os pobres
Para de adular os nobres
Venha de pressa, te mexe
Tu é puxa saco do Gedel Lima
Eu acho que tu levas propina
Da coca cola e da Odebreche!

Escrito as 15:40 hrs., de 14/12/2017 por
Nelson Ricardo

VIRA LATA APAIXONADO



Vamos lascar na poesia
A felicidade se inicia
No ponta pé do jogo
O corre corre é um atraso
A minha vida não vem ao caso
Eu não me atiro no fogo

Não sou louco nem nada
Sou o poeta da madrugada
Passeador de calçadão
Bermuda e chinelo de dedo
Não escondo nenhum segredo
Que gosto de por na mão

Um galho de flor pra donzela
Depois deitar ao lado dela
Como manda um cara de pau
Pedindo, não me mal trata
Sou seu cão vira lata
Beijinho, beijinho, uau au!

Escrito as 09:35 hrs., de 14/12/2017 por
Nelson Ricardo

quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

OCEANO DE POESIAS


Nos não queremos utopias
O mundo precisa de poesias
Mas também caldo de cana
E mel chupado no favo
Do primeiro dia ao oitavo
No calendário da semana

Precisamos de harmonias
Bolo recheado de poesias
Com cobertura de canções
E alguns enfeites de ameixas
Não queremos ouvir queixas
Mas aceitamos ilusões

A loira e a morena
Adoram ouvir um poema
E o cantar das cotovias
Eu dou meu grito rotundo
Vamos inundar o mundo
Criando um oceano de poesias!

Escrito as 16:22 hrs., de 13/12/2017 por
Nelson Ricardo

MORENA DA COR DO ARCO IRIS


Não posso parar de sonhar
Mas agora tenho que andar
Esquecer o dia de ontem
Comer o doce do pires
E passar por baixo do arco Iris
E também por muitos horizontes

Podem me chamar de louco
Mas eu não estou nem um pouco
Com que os outros estão pensando
Estou comendo brócolis e mamão
Por favor segure a minha mão
Você é quem estou amando

Morena do corpo dourado
Esteja sempre ao meu lado
Que na volta de dou uma flor
Quando passar a minha loucura
Te jogo num mar de ternura
E num oceano de amor!

Escrito as 14:45 hrs., de 13/12/2017 por

Nelson Ricardo

NO CORAÇÃO DA MULATA


Eu não quero nem saber
Se o tacho vai ferver
Mas hoje eu vou à festa
Talvez eu rode a baiana
Nesse meio de semana
Outra coisa não me resta

A não ser lascar fogo
Se a vida é um jogo
Então eu quero jogar
Com as cartas sobre a mesa
Porque tenho certeza
Que hoje eu vou ganhar

O coração da mulata
E ir-me embora pra mata
Viver longe da cidade
Porque a vida é sofrida
E lá eu vou viver a vida
Nos braços da felicidade!

Escrito as 09:36 hrs., de 13/12/2017 por
Nelson Ricardo