quinta-feira, 23 de novembro de 2017

AS LUZES CLARAS DO AMOR


Eu sei que volto com fervor Para as luzes claras do amor De carona com a estrela luminosa Eu sei que volto porque a saudade me traz Se o desejo amplo me satisfaz A lua daqui é sempre formosa Lá tenho a lua da igualdade E o vento da liberdade Também o amor que me espera Não estarei no abandono Se aqui eu tenho o outono Lá estarei nos braços da primavera E outra coisa, olhe Lá tenho o verão que me acolhe E o inverno que me acoberta Respeito o ar de nobreza Mas lá terei a certeza Que vou fazer a escolha certa! Escrito as 17:18 hrs., de 23/11/2017 por Nelson Ricardo

NA SOMBRA DA FELICIDADE


Quando eu vôo pelos ventos Mergulho nos pensamentos Do outrora da saudade Então eu muito me emociono Com as folhas secas do outono Sento na sombra da felicidade E depois batendo asas Sobrevoando as casas Eu faço o poso do descanso Recorrendo da memória Bebo um bom chá de história E cochilo na cadeira de balanço E morena vem pro colo Que em seus braços me consolo Quer que eu mostre o passarinho O que faço com muito gosto Ela me faz carinho no rosto Dizendo que ama o bichinho! Escrito as 11:07 hrs., de 23/11/2017 por Nelson Ricardo

quarta-feira, 22 de novembro de 2017

CONCERTO EM SATURNO


Eu tenho uma proposta De navegar pela costa Dos anéis de saturno Sem cair nas profundezas Vamos admirar as belezas De um concerto noturno No salão de eventos Com a força dos talentos Que irão se apresentar São músicos de marte Que vêm mostrar sua arte De boa música cantar Para uma multidão de marcianos Ouviremos guitarras, violões e pianos Que foram comprados em netuno Ouviremos os rouxinóis Pagando trinta e seis mil sóis Para o belo concerto noturno! Escrito as 17:55 hrs., de 22/11/2017 por Nelson Ricardo

OS DOCES LÁBIOS DO AMOR


Vou escrever a dita cuja E tomara que não me fuja A inspiração da alma Que a pena de ganso na mão Toque de leve o coração Com muita delicadeza e calma Que a tinta azul no papel Fale sobre o corcel Que corria pelos prados Quando o azul do firmamento Retrata o sentimento Nos olhos dos namorados Na ora do beijo molhado Como o que dei apaixonado Nos doces lábios da rainha Que inundou meu coração No mergulho eterno da paixão Com o sorriso da amada minha! Escrito as 09:20 hrs., de 22/11/2017 por Nelson Ricardo

terça-feira, 21 de novembro de 2017

MENESTREL DA POESIA


Eu sei que me vou embora Estou planejado agora O meu dia da partida Vou voar por cima do céu Que o vento não leve o meu chapéu Terei um novo início de vida Com um céu azul turquesa E na barraca da Tereza Vou ajudar fazer pastel Tereza tecerá meu manto Com sua sabedoria e encanto Vou vestir-me de menestrel Na hora das declamações Afiarei mil corações Nas cadeiras da plateia Respeitando a nobreza Por estar na barraca da Tereza Comerei um pires de geleia Escrito as 15:06 hrs., de 21/11/2017 por Nelson Ricardo

O TRIGO QUE BROTA NA TERRA


Come um pedacinho de pão Produto final da produção Que cobre os campos dourados Com o trigo que colore a terra Que tempos depois da guerra Brota na alma dos aventurados Come mais um pedaço de pão Que um dia em outra nação Foi partido pelo Salvador Falando que aquilo era o corpo Antes de ele ser dado como morto Tudo em nome do eterno amor Mas a vida se tornou perversa E hoje renasce na conversa E nos tímpanos dos ouvidos meus Quero seguir aqui plantando O farelo das letras semeando No solo sagrado de Deus! Escrito as 10:54 hrs., de 21/11/2017 por Nelson Ricardo

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

NA NOITE DE LUA NOVA


Eu não estou entendendo O que está acontecendo O meu computador desliga por conta Espero que não seja nada Porque a noite enluarada O céu logo mais aponta Que estamos na lua nova E a minha consciência aprova Que não devo sair pra rua Porque o bicho ta pegando Dizem que estão assaltando E a violência continua E a policia não faz nada Então na noite fechada Vou dormir tal qual um doutor Depois do serviço feito Junto à amada de contra o peito Pra beijar e fazer amor! Escrito as 19:51 hrs., de 20/11/2017 por Nelson Ricardo