segunda-feira, 29 de maio de 2017

AQUELE DECOTE


Nove mais nove são dezoito Chá de amora com biscoito Ou com torta de avelã Bota o recheio por cima Camada por camada fina De limão ou de maçã Limão com pimenta arde São quatro e meia da tarde Cheguei lá do sacolão Vim derretido e apaixonado E todo entusiasmado Pela moça do balcão A quem fiz o pagamento Aquele olhar de sentimento Que a cabrocha me botou Não tem em lugar qualquer Gamei naquela mulher Pelo decote que ela me mostrou! Escrito as 16:52 hrs., de 29/05/2017 por Nelson Ricardo

NAS NUVENS DO PENSAMENTO


Se eu flutuasse pelo ar Te levaria pra namorar Nas nuvens do pensamento E é isso que vou fazer Passarei aí pra te trazer Ao meu próximo seguimento De seguir pra não voltar E aí quero invernar Por ilhas universais Tomarmos banhos de chuvisca Vai que o coração se arrisca E eu tempero a água com sais Já passo aí pra te beijar Que eu sei que vou te ensinar Andar nas nuvens de algodão Querida amada dos deuses Amaremos pra mais de meses Num casulo de amor e paixão! Escrito as 13:59 hrs., de 29/05/2017 por Nelson Ricardo

A DOÇURA DO FRUTO


Agora então eu já cheguei Puxei uma cadeira e sentei E liguei o meu computador E já estou computando Um poema digitando Num dia chuvoso sem cor Vejo o sol já se abrindo A natureza inteira florindo Esse é o mundo feito por Deus Estou num silencio absoluto Saboreando do próprio fruto E escrevendo os pensamentos meus Que inclui alegria e paz na natureza Seja na condição de pobreza Porem rico de coração Pensamentos vão pro ar Expressando o colorido da flor Pois é nela que tenho amor Ao luar de uma grande paixão! Escrito as 10:19 hrs., de 29/05/2017 por Nelson Ricardo

domingo, 28 de maio de 2017

A ESPADA FLAMEJANTE


Vou escrever uma poesia Não sei se era isso que eu queria Mas agora já sei que eu quero Tantas coisas se passaram Os passarinhos todos voaram No tempo que considero Que a espada flamejante Na mão do guerreiro Dante Brilhava feito faísca Era um filme de outra era Que se passou na primavera Mas a ponta de uma espada risca Que faz o tempo responder O sorriso nos lábios nasceu Depois de uma sena de ciúme Eu fico todo enciumado Pela morena de nariz empinado Que me embriago com seu perfume! Escrito as 16:29 hrs., de 28/05/2017 por Nelson Ricardo

terça-feira, 23 de maio de 2017

TROPEADAS DA SAUDADE


Nas minhas viagens a cavalo Até hoje eu sempre falo Foram tropeadas da saudade Saindo lá da fronteira Sem um tostão na gibeira Sempre em busca da felicidade Acampamentos do gaudério Trabalho honesto e sério Sempre rondando o gado Geralmente bichos de corte A gente contava com a sorte Até chegar do outro lado Deste país de meu Deus Eu levava os sonhos meus Na mala em baixo dos pelegos Na volta pensando em casar Para o tal de amor compartilhar Com a amada nos aconchegos! Escrito as 07:27 hrs., de 23/05/2017 por Nelson Ricardo

segunda-feira, 22 de maio de 2017

SORRISO DE AMARGURA

iv dir="ltr" style="text-align: left;" trbidi="on">
Sorriso no rosto, querida Na bela manhã colorida Dos jardins da solidão Onde eu ando todo o dia Sorriso intenso de alegria O peito queima de paixão Pela música da saudade Com eco na eternidade Porque é pra lá que eu vou Meu caminhar na alameda Para cessar a labareda Que minha alma já queimou O presente me pisoteia Porque na hora da ceia Uma sopa estava quente E minha língua eu queimei A morena por quem chorei Me chamou de indecente! Escrito as 10:05 hrs., de 22/05/2017 por Nelson Ricardo

domingo, 21 de maio de 2017

O GERME DO AMOR


Vou estender as mãos ao céu Cabeça ao sol e sem chapéu Lá vou eu na alta montanha Gritando, viva a humanidade Em busca da plena liberdade Quem sabe se a minha façanha Não atinge os píncaros da glória Pra que se guarde na memória O feito realizado por mim Um ser mortal e pecador Que semeia o germe do amor Como se fosse um imenso jardim Com as batidas de um coração Ao ouvido os acordes da canção Que na letra fala de poesia Porque se o ódio ainda não morreu Foi porque o bom senso esqueceu E sem amor é tudo utopia! Escrito as 15:16 hrs., de 21/05/2017 por Nelson Ricardo