quinta-feira, 17 de agosto de 2017

O SAGRADO APERITIVO


Aquela música leve de outrora É que estou ouvindo agora E nela eu vôo na imensidão Do universo infinito muito alem Sinto que o passado já mais vem Mas é bom flutuar na ilusão Só assim eu fujo da realidade Se estou só, sinto saudade E a saudade sempre machuca Não quero andar só de bicicleta No paralelo ou em linha reta A cidade anda sempre maluca Eu quero dormir um sono leve Deslizando sempre na neve Eu venho do alto do primitivo Dormindo em sonhos te vejo Quero beber do néctar dos nossos beijos Vamos fazer dele o sagrado aperitivo! Escrito as 10:14 hrs., de 17/08/2017 por Nelson Ricardo

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

SONO FUJÃO


Não sei pra onde vou Sei que no memento estou Quase caindo de sono Acontece que de madrugada Mesmo de luz apagada E entregue ao puro abandono O meu sono sumiu de mim Acontece que agora em fim Ele sorrateiramente apareceu Mas agora eu não posso dormir E tenho até que sorrir Do que aconteceu É assim que a gente envelhece Ninguém merece Viver nessa situação Com noites mal dormidas Talvez vidas diminuídas Coisa que não tem salvação! Escrito as 08:50 hrs., de 16/08/2017 por Nelson Ricardo

terça-feira, 15 de agosto de 2017

O MEL DO AMOR


Nessa manhã tristonha Meu subconsciente sonha Em almejar o mel do amor Que mora no coração da amada Ela tem uma alma melada Que é tudo fruto da flor Que nasce na primavera É que a maldita quimera Separa os nossos caminhos Ela tem ciúmes de mim E nosso caso chegou ao fim Não tenho mais seus carinhos A solidão de mim se apossou Mas porem ontem ela ligou Dizendo que quer reatar Que está muito arrependida E chorando de tão sentida Diz que volta pra gente se amar! Escrito as 11:28 hrs., de 15/08/2017 por Nelson Ricardo

segunda-feira, 14 de agosto de 2017

COM DESTINO AO PACÍFICO


Na calmaria que a gente quer Seja homem ou seja mulher É na estrada que se segue viagem Com destino ignorado Eu vou de ônibus lotado Tem um rio que não é miragem E por cima passa uma ponte Que do alto se avista um monte O monte das cordilheiras Ouço no rádio uma estação chilena Bandonion, violão e um poema Na estação já tem fileiras Esperando para embarcar Querem ir para a beira do mar E então empolgado eu fico Ser feliz é tudo o que eu preciso Quero me instalar em Val Paraíso As margens do Oceano Pacífico! Escrito as 17:56 hrs., de 14/08/2017 por Nelson Ricardo

AI QUE ME BATENDO SONO


Ai que me batendo sono Sou liberto sem dono Ouço uma voz feminina Vinda dos lados de Paris Que me torna mais feliz Ao vento leve da colina E ela canta mais do que nunca Parece me beijando a nuca Com apenas vinte e oito anos Isso é o que eu imagino Sou vaidoso e de faro fino Estou armando meus planos Pra cima de uma bela ao lado To ficando incomodado Pelas safadezas dela Passa piscando o olho pra mim Me chama pra conversar no jardim Entrar no seu quarto pela janela! Escrito as 15:28 hrs., de 14/08/2017 por Nelson Ricardo

ÓPERA DA VIDA


Música não rima com nada Numa manhã ensolarada E com um ventinho batendo na cara Estou pensando na vida Que apesar de as vezes dolorida Ela é uma joia rara Cuidado com os tropeços na estrada Que anda muito esburacada E o perigo da eminência É sempre mais do que constante Ouvindo uma ópera interessante Procuro afinar a consciência Querendo prolongar a vida Pra que não seja destruída Mas porem bem aproveitada Procurando evitar a gastansa Pesando tudo na balança E seguindo firme nossa jornada! Escrito as 10:33 hrs., de 14/08/2017 por Nelson Ricardo

domingo, 13 de agosto de 2017

BOLA NO BATE REBATE


Estou assistindo ao jogo O brasileirão é fogo É um toma lá dá cá Bola no bate rebate Quando não acaba no empate Ganha o time do lado de lá Jogador cai e levanta Dá uma sede bebo uma fanta E como um cachorro quente Ou um pastel de barraca E quando o centro avante ataca É a torcida que sente E se a bola balança a rede Aí é mesmo que dá uma sede E eu ataco de coca cola E gritando que nem um louco Me sufoco eu paro um pouco Enquanto a gorduchinha rola! Escrito as 16:11 hrs., de 13/08/2017 por Nelson Ricardo

PAI


Papai, papai por onde andas Que que fazes que não mandas Um pequeno sinal de vida Eu sei que tão longe estais Hoje é dia dos pais E minha missão cumprida Nesse dia de mês de agosto Dar-te um beijo no rosto E um abraço de felicidade Mas a muito você foi embora A verdade não ignora Mora no reino da eternidade Então hoje eu queria desejar Em nome dos céus abraçar Cada pai com os beijos meus Espalhados por esse mundo Com todo o amor profundo Em nome do grande pai que é Deus! Escrito as 09:56 hrs., 13/08/2017 por Nelson Ricardo

sábado, 12 de agosto de 2017

FORTES RAJADAS DE VENTOS


Lamento, mas não te quis Desejo que sejas feliz Ingênuo, me precipitei Se for possível me perdoa E vamos continuar numa boa Tenho consciência que errei Fortes rajadas de ventos Na data que marca novos tempos E o assunto está proposto Cada dia uma nova era Logo, logo vem a primavera Deixando pra traz o mês de agosto No relógio o ponteiro não para A vida nos é tão cara Então, ser feliz é preciso Enfrentando de peito aberto Sem deixar de ser esperto E muito menos perder o juízo! Escrito as 15:57 hrs., de 12/08/2017 por Nelson Ricardo

NAS ÁGUAS DO CANADÁ


Se não tenho nada pra fazer Então eu vou aqui cozer Mais uma peça de poema Com tesoura, agulha e linha Decisão e ideia minha E a graça da bela morena Que enfeitiçou-me de amor As vezes eu sinto uma dor Que se transforma em saudade Essa pessoa sempre mexe comigo E não existe pior castigo Quando se busca a tal da felicidade É que a fulana já é comprometida Uma história muito cumprida O melhor é deixar pra lá Vou arrumas as malas e viajar Eu quero ir embora me refrescar Nas águas frias do Canadá! Escrito as 12:46 hrs., de 12/08/2017 por Nelson Ricardo

BIA


Sem muitas delongas Saudade de minhas congas Que usava quando menino De pintinho a frangote Corrente linda no cangote Tão esperto e faro fino De olho pra cima da bia Usando a sabedoria Querendo despetalar a flor Verdadeira laranja de umbigo Ela não quis namorar comigo Eu queria tanto o seu amor Mas o tempo então passou E o destino me empurrou Para escrever outra história Hoje sou grande amigo da Bia Mas nosso romance toda via Tenho guardado na memória! Escrito as 10:02 hrs., de 12/08/2017 por Nelson Ricardo

sexta-feira, 11 de agosto de 2017

UM CORAÇÃO DESERTO


Sou um coração deserto E afirmo que por certo Foi com o passar dos tempos Um sistema arenoso tomou conta Mas é que a verdade aponta Que tudo mudou com os ventos E a lembrança guardou na memória Que nem nos livros de história E lugares nenhum estão Mas que eu trago muito bem guardado Nos arquivos empilhados Do meu desértico coração As folhas brotando da emoção Para esperar a primavera da razão Sim, e que o simbolismo da flor Traz do seu néctar o bulbo brotando E depois tudo vai englobando A flor sempre rima com o amor! Escrito as 18:05 hrs., de 11/08/2017 por Nelson Ricardo

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

DEZESSETE E DEZESSETE


Acabei de chegar de fora Estou conferindo a hora São dezessete e dezessete Eu vou tomar um chimarrão Escute e preste a atenção Vou pegar minha camionete Ela tem o poder de voar Por Deus que quero cruzar Por mundos desconhecidos Adeus Terra oceanos e matas Adeus lindas loiras e mulatas Guardem seus sussurros e gemidos Que minha rural willys é boa Cruzarei por sobre Lisboa Barcelona, Madri e Paris Adeus querida humanidade Eu vou sobre o ar da liberdade Pois tudo que quero é ser feliz! Escrito as 17:30 hrs., de 10/08/2017 por Nelson Ricardo

CORAÇÃO FULMINADO


E aí que eu volto então Ao encontro da paixão Que surgiu assim de repente Eu estava olhando pro teto Fulminou meu coração completo E também a alma e a mente E agora o que é que eu faço Preciso acertar o paço Da direção mais acertada Pra não me deixar levar De repente me embriagar Para não tomar a direção errada Ela chegou assim de vagarinho Falando com todo o carinho Trazida pelo vento do aroma Já me deixando entusiasmado Ébrio do amor embriagado Ela é de fato uma bela dona! Escrito as 14:08 hrs., de 10/08/2017 por Nelson Ricardo

quarta-feira, 9 de agosto de 2017

COLHENDO FLORES


Estou lembrando da morena Se eu for escrever um poema Será que sai alguma coisa que preste Recordando de muitos amores Ou quem sabe colhendo flores Num bosque do tipo campestre A loira também me cai na lembrança Se a memória ainda alcança Faz poucos anos a traz Um, dois, três ou quatro História com um longo relato E esquecer disso não sou capaz E a saudade não sai do peito Queria achar um jeito De reencontrar novamente Para matar a saudade Quem sabe o retorno da felicidade E o florescer de uma nova semente! Escrito as 22:46 hrs., de 09/08/2017 por Nelson Ricardo

AQUELA MÚSICA QUE ENCANTA


Aquela música que encanta Numa voz mais do que santa Quando voam os albatrozes Com certeza são vocês femininas A atingirem ouvidos e retinas São um conjunto de vozes Que talvez venham da Europa O meu sexto sentido topa Em outra coisa concordar Estou em paz com os meus sentidos Talvez sejam vocês dos Estados unidos Coisas que me fazem sonhar Com meu amor do passado Que a muito me deixou de lado Enterrado na eterna solidão Eu ouço um eco não sei de onde Acho que meu amor responde E me faz voar nas asas a ilusão! Escrito as 16:54 hrs., de 09/08/2017 por Nelson Ricardo

terça-feira, 8 de agosto de 2017

ERA APENAS UM SONHO


No silencio nada escuto Não consigo alcançar o fruto Que está no alto da copa E por isso fico rubro Pego uma escada e subo E então desço na Europa Mais precisamente na Espanha Ou na Holanda ou Alemanha Então monto meu cavalo inglês Não posso amassar meu terno Embarco num trem moderno Falando meu pobre português Com a menina sentada ao lado Fico todo entusiasmado Ela falando a sorrindo pra mim Batia um vento forte e medonho Quando eu acordei de um sonho E a viagem chegou ao fim! Escrito as 23:22 hrs., de 08/08/2017 por Nelson Ricardo

UM BANDO DE LOUCOS NA MATA


Então vamo que vamo As músicas que gamo Guaranhas paraguaias Nos entranhamos no mato Com lanche pronto no prato Querendo fugir das vaias Na hora da declamação Eu pretinho de carvão Por cozinhar a comida Uma rede armada nos galhos Já sesteando sem atrapalhos Comemorando a existência da vida Lá muito alem de Paquetá Já próximo a Belém do Paraná Quem nos viu que tenhas dó Uma índia fui tirando E daí saímos dançando Um tal de carimbo! Escrito as 15:28 hrs., de 08/08/2017 por Nelson Ricardo

segunda-feira, 7 de agosto de 2017

EMBRIAGADO NA UTOPIA


Acordei no meio da noite A insônia é um açoite Mas não foi o que me deu É preciso falar a verdade Olhei em volta e senti vontade E foi então o que aconteceu E já estou aqui escrevendo Que importa o relógio correndo Que pra mim não tem hora não Depois eu volto pra cama Ao lado de quem me ama E por quem a amo de paixão Nem que seja no faz de conta Porque a consciência aponta De que na cama não tem nada Que ela está fria e fazia É que me embriago na utopia Na solidão da madrugada! Escrito as 03:15 hrs., de 08/08/2017 por Nelson Ricardo

O FAROL DA BOATE


Vai vida que continua Ao sabor da luz da lua Ou então sob o farol da boate Lembro quando criança Que a memória ainda alcança E aí a saudade me bate Há há, meu Deus do Céu Tudo ficou no beleléu E o tempo de hoje é o que importa A música romântica na vitrola E a gata de hoje que não me dá bola E é aí que a coisa entorta A tristeza novamente bate E ainda lembro da boate Sei que nem ela existe mais Então eu volto da rua E na janela apreciando a lua E ouvindo o canto dos pardais! Escrito as 20:28 hrs., de 07/08/2017 por Nelson Ricardo

O EDIFÍCIO CHAMADO CÉU


As folhas são de um tom verde Com gotas que matam a sede No orvalho da natureza Da mata virgem do mundo E o mergulho é profundo Tem braços e tem destreza E o olho d’água é imenso Acima há um jardim suspenso Na mata virgem do sertão É por ali que mora o vento E também a balança do tempo Para medir o peso da imensidão E descobrir a resposta Que está bem na encosta Do formato do chapéu Lá estão os anjos meus No portal da casa de Deus Do edifício chamado céu! Escrito as 15:53 hrs., de 07/08/2017 por Nelson Ricardo

O NINHO DA LIBERDADE


Nessa manhã maravilhosa Sinto um perfume de rosa Entrando narinas a dentro E de um alimento temperado Com folhas de alho picado E um pouco de pimenta e coentro Que mais eu quero da vida Acho que encontrei a saída Do caminho que leva a felicidade Um meigo ar de primavera Que feliz que eu era Morando no ninho da liberdade Quando menino que brincava E muitas vezes trepava Com a filha da vizinha No pé carregado de goiaba Ela fazia carinha de brava Porem hoje é inteiramente minha! Escrito as 11:11 hrs., de 07/08/2017 por Nelson Ricardo

sábado, 5 de agosto de 2017

NAS TABERNAS CUBANAS


Ai que paloma bonita Que meu coração se agita Quando vê esse pássaro voar Que flutua pairando no céu Então eu tiro meu chapéu E também queria decolar Para o mundo da ilusão Bela noite de verão Claras luzes na cidade E nas tabernas se dança E é quando a gente alcança A plena felicidade Numa rumba abençoada E a salsa bem balançada Nas ancas da morena Quando pego ela pelo braço E a chamo para o amasso E em seu ouvido digo um poema! Escrito as 14:43 hrs., de 05/08/2017 por Nelson Ricardo

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

O VENENO ALGOZ


Canta menina canta Levanta meu astral levanta Que eu quero flutuar na imensidão E afogar as minhas mágoas Nadando suavemente em tuas águas Pra fugir dessa algoz solidão Canta em francês canta Que minha sede é tanta De ouvir a tua voz Penetra leve em minha alma Porque teu charme me acalma Eu fujo desse veneno algoz Que corta meu coração Quero mergulhar na ilusão No oceano do teu ser E plantar em você a semente do amor Pra que logo brote o fruto da flor Menina linda você é o meu prazer! Escrito as 11:03 hrs., de 04/08/2017 por Nelson Ricardo

quinta-feira, 3 de agosto de 2017

AS TARDES DOS ANOS SESSENTA


A alegria da gente É aquilo que se sente Quando sentamos na praça Numa bela tarde de verão Ali a beira do calçadão E a menina passa de graça Com aquele charme feminino E quando se ouve o hino A música da mulher bonita Meu coração pula de alegria Perdendo as rédeas da harmonia E então ele pulsa e palpita Aquela praça dos anos sessenta Que na lembrança representa A estirpe de uma sociedade No clube da União Operária Na minha visita quase diária Aquilo é que era felicidade! Escrito as 21:58 hrs., de 03/08/2017 por Nelson Ricardo

UMA GAIVOTA POR SOBRE AS ONDAS


Eis uma gaivota a voar Pelas nuvens a cima do mar Lá vou eu numa lancha passageira Quebrando as ondas ao vento E girando a roda do tempo Enquanto se desfolha a roseira No jardim a beira da estrada Flores brancas, e amareladas Por todos os lugares que passei Enquanto a menininha crescia Belos sonhos eu dormia Até que um dia ganhei Os beijos da soberana mulher Numa sala de cinema qualquer Na sena o ronco de um motor Começavam longos tempos de gloria E nos livros o escrito de uma história E a bênção de Deus ao nosso amor! Escrito as 17:10 hrs., de 03/08/2017 por Nelson Ricardo

A SARITA


Quando a saudade chega Derreto igual manteiga E as lágrimas descem a baixo Haja lenço pra enxugar Mas agora vou te contar É no apartamento que eu encaixo E fico lá escondido Procurando o sexto sentido Que foi e não mais voltou Comigo mora a Sarita Se eu falho ela me frita Outro dia me cobrou Que eu fosse mais atento Dizendo que sou lento Que preciso de uma tunda E que a qualquer hora Ela me bota pra fora Com um bendito pé na bunda! Escrito as 11:49 hrs., de 03/08/2017 por Nelson Ricardo

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

EUNICE


Desde os tempos de menino Percebi que meu destino Era fugir sempre da dor Era um garoto que como eu Tão logo percebeu Que tinha nascido para o amor Quando que no pé da colina Morava uma menina A mais linda do lugar Foi num baile de casamento Que o nosso sentimento Não parou de apontar A fonte dos bons carinhos Que eliminamos os espinhos Que pudessem nos machucar Eu reconheci linda flor Onde Eunice seria o meu amor Pra vida inteira me namorar! Escrito as 15:27 hrs., de 02/08/2017 por Nelson Ricardo

A PALOMA QUE VOA


O sono me bate então Quero ouvir uma canção Uma Paloma que voa E eu um pobre pescador Tentando pescar o amor Pra ajudar-me da canoa Pois os remos estão pesados E o corpo muito cansado Pelo pobre coração vazio Na solidão de sua canoa Precisando voltar a uma boa E fugir deste imenso frio Se a gata gosta de peixe Eu já pesquei um feixe Com o cadarço do sapato E se o destino relata Eu terei a minha gata Na companhia do gato! Escrito as 07:53 hrs., de 02/08/2017 por Nelson Ricardo

terça-feira, 1 de agosto de 2017

A MORENA DO CARIBE


O que que alguém cantando Divinamente entoando A música lá Paloma Não nos leva a inspiração Durante a mastigação De uma bala de goma Foi o que aconteceu comigo Eu estava de castigo Numa cidade caribenha E tinha uma morena exibida Que me pediu uma bebida Eu disse bem alto, venha O que tu bebes minha flor Ela respondeu, meu amor Estou queimando de desejos Numa fúria muito louca Deixa eu invadir tua boca E sugar o néctar dos teus beijos! Escrito as 17:34 hrs., de 01/07/2017 por Nelson Ricardo

A BATALHA DO AMOR


Canta, canta capricho cigano Que pode ser que para o ano De dois mil e dezoito Eu volte aí na tua casa Pra isso vou ter que criar asa Prepara um café com biscoito Daqueles dos velhos tempos Tudo sumiu com os ventos Mais a saudade inda resta De quando tu dançavas uma salsa Ou eu te arrastava pra valsa Tudo isso antes da sesta Na cama de lençóis de seda Na tua casa na alameda De saudade estou sofrendo Isso já faz mais que uma era Eu sei que ainda me espera Me chame e eu volto correndo! Escrito as 15:49 hrs., de 01/08/2017 por Nelson Ricardo

A BATALHA DO AMOR


Vai começar a batalha Quando a cultura encalha Se procura um outro jeito Então se aguça os desejos De degustar longos beijos Seguindo um bom preceito Tem que ser de um modo color Que bem combine com o amor Na sacada do apartamento Ou nas asas de um avião Sobre voando o sertão Bate forte o sentimento Da menina da favela Que de todas a mais bela A paixão brota da dor E o passarinho tico tico Que representa o menino rico Crava em seu peito o amor! Escrito as 11:18 hrs., de 01/08/2017 por Nelson Ricardo

segunda-feira, 31 de julho de 2017

NO PENHASCO DA SAUDADE


Eu quero estar com você Na Tonga do cabuletê No penhasco da saudade Pra gente deitar na grama Tendo permissão do IBAMA E a brisa da felicidade E na música do celular A gente poder escutar A sinfonia de Beethoven Ficar pensando a esmo Pois quem sabe se ele mesmo Não ressuscita e nos houve Podemos estar bem à vontade Na completa felicidade Como o desejo requer E esquecer da canseira Quero te amar por inteira Meu objetivo é você mulher! Escrito as 17:26 hrs., de 31/07/2017 por Nelson Ricardo

O RETORNO


Uma música portuguesa Eu te falo com certeza Que amo por de mais da conta Quando olho além do horizonte Avistei de traz do monte De sorriso aberto aponta O nome dela é Gabriela Foi exatamente aquela Que à muito tempo me deixou A ver navios a beira do porto Porque ela viajou no conforto Pela janela do barco abanou Desaparecendo nas ondas do mar Que me deixou a gramar Na mais triste solidão E no mais que de repente Ela volta sorridente Queimando de amor e paixão! Escrito as 13:54 hrs., de 31/07/2017 por Nelson Ricardo

O SENTIDO DA VIDA


Ao som da música francesa Sentindo o aroma da beleza De uma voz feminina e bela Quando vejo a amada chegando Sorriso aberto e escancarando Depois fechando a cancela E pisando o tapete sorrateira Dizendo-me ser solteira Porem abandonada e tristonha E então começa invadir minha boca De uma fúria tão louca Dizendo que comigo sonha Nas noites enluaradas Eu te amo minha amada Nunca mais te deixarei sozinha Tens a aura alva e colorida És tu o sentido da vida Menina doida e bonitinha! Escrito as 10:24 hrs., de 31/07/2017 por Nelson Ricardo

domingo, 30 de julho de 2017

NÃO SEI PORQUÊ


Não sei por quê Tu não sai dessa teve Fica vendo o Silvio Santos E não busca outro programa E durante toda a semana Não procura outros encantos Como paquerar comigo E me impõe duro castigo O sabor das amarguras De noite se cobre com o manto E se vira para o canto Dizendo estar com tonturas Vou trazer-te um presentinho Pra trocar por um carinho Acho que assim eu não erro Sou forte e ainda dou no couro Vou te comprar um colar de ouro Meu amor tu não é de ferro! Escrito as 17:02 hrs., de 30/07/2017 por Nelson Ricardo

sábado, 29 de julho de 2017

AO LONGO DOS ANOS


Ao longo dos anos Reformulei os meus planos Para o ápice do progresso Quando me dou por conta Eis que o mundo aponta O meu retrocesso Caí na queda e no tombo Uma cruz pesada no ombro Olhos cheios de fumaça Um tal de monte das oliveiras O pior das segundas feiras E o schow todo de graça Então o mundo deu a volta O ser humano se solta E cada vez se enrola mais Será a vez do pecado E o castigo virá dobrado Te encontro depois no cais! Escrito as 15:45 hrs., de 29/07/2017 por Nelson Ricardo

PÃO COM SALAME E MÚSICA CLÁSSICA


Ao som do violino Entoando um quase hino Que meus ouvidos agradecem Mosart o violinista Eu gosto da seleção mista Que meus tímpanos merecem Mosart, Chopin e Beethoven O que meus ouvidos ouvem E a Sinfônica de Moscou Viajou mais de quilômetro Para a Usina do Gasômetro O povo curtindo o som Eu no pão com salame Sentado ao lado da madame Simplesmente ali no chão Quero a sinfônica de novo Tocando para o meu povo Aplaudindo com devoção! Escrito as 11:10 hrs., de 29/07/2017 por Nelson Ricardo

sexta-feira, 28 de julho de 2017

UMA E QUARENTA E UM DA MATINA


Uma e quarenta e um da matina Então eu sonho em subir a colina levanto com aquilo na cabeça E venho ao computador Estou sonhando com o meu amor E por incrível que pareça Ela não aparece É então que a saudade cresce Na verdade ela não existe E eu já acostumei com isso Mas não deixo de pensar nisso Porque tem algo que persiste Venho aqui e ponho na tela Imaginando como tão bela A que um dia tive, era assim A quem sempre eu tiro o chapéu A muito ela mora no céu Era como uma flor de jardim! Escrito as 01:49 hrs., de 29/07/2017 por Nelson Ricardo

LUA DE GALA


Beija- me muito minha flor Dá-me a graça do amor Porque sem tu não sei viver Nem a lua me satisfaz Viver sozinho não sou capaz Tenho medo de morrer Comprei pra você um espelho E estendi tapete vermelho Na sua sala de bem estar Nossa cama fofa e gostosa Para a sua pele cheirosa Com quem quero-me deitar Para decifrar-te novamente Preciso depositar a semente Para a descendência de nós dois Mandarei buscar tua mala Venha para uma lua de gala Este poema eu te mostro depois! Escrito as 17:37 hrs., de 28/07/2017 por Nelson Ricardo

O BRILHO DA ESTRELA


Vamos profetizar com harmonia E vamos poetizar com alegria Porque a poesia é necessária Contra os dissabores da vida E não há outra saída Na labuta diária Vamos conversar um pouco Esse mundo anda tão louco Mas eu não quero entrar nessa Nesse sub mundo de utopia Prefiro ficar na poesia Porque poetar é bom a bessa Eu não quero andar sozinho O mundo precisa de carinho E não de angustia e dor Só uma coisa se salva O brilho da estrela d’álva E a nobre riqueza do amor! Escrito as 10:02 hrs., de 28/07/2017 por Nelson Ricardo

quinta-feira, 27 de julho de 2017

FINAL FELIZ DE AMOR


Boa noite na chegada Para minha sempre amada Pilotando um fogão Desses que funciona a lenha Eu peço que largue tudo e venha E deixe que ferva o feijão Vamos tecer outros assuntos Tomaremos banho juntos Pra depois jantarmos fora No restaurante lá da praça Porque você é uma graça Que a razão não ignora E depois para ao cinema Na tela grande e plena Um Love store por favor Quero aproveitar o escurinho Para te beijar de vagarinho No nosso final feliz de amor! Escrito as 19:44 hrs., de 27/07/2017 por Nelson Ricardo

quarta-feira, 26 de julho de 2017

LEVADO AOS VENDAVAIS


Assim desse jeito eu vou Só pra ver o que sobrou Da festa do ano passado Menina namorou comigo Depois me impôs o castigo De me deixar de lado Chorei e sofri de mais Até o canto dos pardais Não ouço nos meus ouvidos A comida não tem sabor Se não tenho mais seu amor Nem sinto os cinco sentidos Por outro me trocastes Eu ouvi que me falastes Que me amava por demais Depois me deu um pé na bunda Que minha alma se afunda Fui levado aos vendavais! Escrito as 18:03 hrs., de 26/07/2017 por Nelson Ricardo

NA ILHA DO AMOR


Naquela ilha deserta Em que o sonho desperta Acordei de madrugada Com aqueles ventos medonhos Voltei dos profundos sonhos Abraçado a bem amada Estava na ilha mesmo E fiquei pensando a esmo Como é boa a liberdade Antes eu era um estressado Agora durmo abraçado Nos braços da felicidade O que eu quero mais da vida A que outrora foi sofrida Sou alguém que não desiste A paz que agora desperta No mundo da ilha deserta O amor ainda existe! Escrito as 15:05 hrs., de 26/07/2017 por Nelson Ricardo

COMO AS ÁGUAS DO OCEANO


Que linda é a vida Uma coisa ungida Pelo mestre Deus As paisagens deslumbrantes E a música do Guilherme Arantes Adormeço nos pensamentos meus É, mais o passado ta indo Sei que o fim, vem vindo O que que eu posso fazer A não ser curtir a vida Não existe outra saída É deixar acontecer Colhendo frutas no mato Eu encerro este relado A vida é sim um primor Tenho alguém que me amas Que agora mesmo me chamas É hora de curtir o amor! Escrito as 10:59 hrs., de 26/07/2017 por Nelson Ricardo

terça-feira, 25 de julho de 2017

COMO AS ÁGUAS DO OCEANO


Música clássico encanta Porque o ânimo levanta Como as águas do oceano Eu fico louco de paixão Mergulhando na ilusão Parecendo um cara insano Ainda mais quando te vejo Recordo daquele beijo Dentro do elevador Tu me chamando de sábio E mordendo o meu lábio Enchendo-me de amor Escrevo aqui sorrindo Espere que já estou indo Para irmos ao cinema No horário das oito e meia Assim que terminar a ceia E concluir este pema! Escrito as 19:37 hrs., de 25/07/2017 por Nelson Ricardo

PITADA E MEIA DE AMOR


Começar tudo de novo Com poesias para o povo Porque a poesia alimenta Falando sempre com calma Para fulminar a alma Pitada e meia de pimenta Fica mais interessante E é então que nesse instante Eu ancoro meu barquinho No porto da solidão Pra comer meu macarrão De molho, só um pouquinho Construo um castelo De um estilo muito belo Barreado e meio sem cor É nessa bela morada Que eu e minha amada Vamos viver de amor! Escrito as 17:38 hrs., de 25/07/2017 por Nelson Ricardo

segunda-feira, 17 de julho de 2017

UM FRANGOTE SAGAZ


Não tenho canceira nenhuma Então vai ai mais uma Das poesias que faço Levando minha saudação Num forte aperto de mão E também um abraço Eu sou da terra do poente Mas também do sol nascente A estrela D’alva é minha paz Nasci num barracão de zinco Quando faltavam dez pras cinco Virei um frangote sagaz Com uma franga em cada terreiro Já construí um bom poleiro Pras noites frias de geada Mas sou de fibra forte Quero uma franga do lado norte Pra ser minha namorada! Escrito as 16:38 hrs., 16:39 hrs., de 17/07/2017 por Nelson Ricardo

SEMPRE COM CRISTO


Se for, vou sentir saudade Vou para a grande cidade Visitar o templo da igreja Aquela criada por Deus Que recebe os pedidos meus Onde quer que eu esteja Quero com ele estar quisto Sou da Igreja de Jesus Cristo Dos santos dos últimos dias A quem entrego meus pecados E fiz convênios e tratados Eu quero o píncaro das alegrias Arrepender-me de meus erros Subindo de joelhos os serros Expressando os sentimentos meus Meus sacrifícios eu insisto Para estar sempre com cristo O filho amado de Deus! Escrito as 14:36 hrs., de 17/07/2017 por Nelson Ricardo

ITÁLIA DOS MEUS SONHOS


Música que adoça o coração A beleza de uma bela canção Da minha distante Itália Desde que deixei alem mar Dos canais de Veneza a navegar Lá tem um escultor que entalha A formosura de uma mulher Eu tenho um pensamento qualquer De entalhar uma madeira em flor O desenho da bela encantada Minha eterna namorada Alma gêmea meu amor Saudades do chás da tarde de Roma E da terra encantada de Verona Romeu e Julieta no cinema De Assistir no escurinho Mesmo pensando no beijinho Da boca de mel do meu amor! Escrito as 09:50 hrs., de 17/07/2017 por Nelson Ricardo