terça-feira, 17 de outubro de 2017

A PRINCESA MANOELA


Pelo tanto que to sofrendo Vou acabar me perdendo Nos confins da Conchinchina Lingüiça na gamela Os cachiados da Manoela Me perturbam a retina E é por isso que não largo dela Os lábios quentes da Manoela Cada beijo um tirombaço Que me arrebata de desejos Não vivo sem seus beijos Muito menos do abraço Da princesa da cidade Toda nossa felicidade Tem o jeito da Manoela Boca torta e desdentada Mas é minha namorada E não sei viver sem ela! Escrito as 21:57 hrs.,. de 17/10/2017 por Nelson Ricardo

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

ASTA LA VISTA BRASIL


Nem sei por onde começar Sei que tenho de embarcar Para Santiago do Chile Será no dia sete de janeiro Deixarei o solo brasileiro Pensei em ir de uno Mille Ou até mesmo de avião Mas a verdade é que a condução Será um ônibus coletivo Sento na poltrona e apago Com destino a Santiago Mas o meu sexto sentido Aponta-me na retina Que em Cordoba na Argentina Pararemos pra descançar Depois na Santiago bela Michelle Bachellê estarei com ela Marcando a data para nos casar! Escrito as 15:55 hrs., de 16/10/2017 por Nelson Ricardo

PASSARINHO CANTA NA PRAÇA


O vento sacode a paineira Em plena segunda feira E um silencio absoluto Sorvendo o chá com torradas Costumes das manhãs ensolaradas Temos o relógio matuto No girar do ponteiro dos segundos Os pensamentos tão profundos Em saber que o tempo passa Num mundo sempre tirano Ao aproximar do fim do ano Passarinho canta na praça E o povo toma sorvete Tenho que mandar bilhete Para a amada que não responde Fico com raiva e xingo Ela saiu foi no domingo Esta escondida, não sei onde! Escrito as 10:38 hrs., de 16/10/2017 por Nelson Ricardo

sábado, 14 de outubro de 2017

PÁSSARO VOADOR


Um pedaço do meu sertão Lá vou eu na mata virgem do coração Colher as flores do mal me quer Levo a viola da minha vida Pensando na mulher querida Verdadeiro pedaço de mulher Que tem seu sangue no meu sangue E quando eu atolo inteiro no mangue Tentando atravessar ao outro lado Eis que deparo com a inda pele morena Pronto, ali nasceu um outro poema Embora sabendo do infeliz pecado Sei que tenho que prestar conta em casa Pássaro voador bate a asa Pra tentar um acordo de separação Estou falando a verdade e não minto A mulher querida cortou o meu pinto Com o fio de aço de um enorme facão! Escrito as 16:42 hrs., de 14/10/2017 por Nelson Ricardo

A MENINA DOS DENTES BRANCOS


Na chegada eu deparei Pedi licença e entrei Guardei meu guarda chuvas Era o clube da saudade Investi-me da liberdade Diante de uma bacia de uvas A menina dos dentes brancos Que calçava um par de tamancos Seus dentes pareciam de marfim Fez-me sinal que sentasse-me Estava ligada a tevê E ela continuou sorrindo pra mim Percebi que lhe era interessante Para seus olhos de diamante Azul, mas muito azul da cor do mar Ainda hoje sonho com ela Foi à princesinha mais bela Com quem não quis namorar! Escrito as 11:00 hrs. em ponto de 14/10/2017 por Nelson Ricardo

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

LA PALOMITA


Lá palomita que muito voa Digo-te que não é uma boa Fique aqui no meu quintal Se voar voe baixinho Que seguirei teu caminho Com o faro de um animal Que não vive sem sua fêmea És toda minha alma gêmea Quero-te por favor entenda Estás programada na medida És o ar de minha própria vida E fostes feita sob encomenda Para as noites de verão Na sauna quente da paixão Na quentura algoz do calor Seguirei todos os seus passos Pra prender-te nos meus braços E te dar aulas de beijos e de amor Escrito as 15:37 hrs., de 13/10/2017 por Nelson Ricardo

PAIXÃO CALIENTE


Mas que viola chorona esta Trilha sonora da sesta Pra depois de meio dia No leito da felicidade No custo zero da liberdade No barraco da harmonia A amada amante repousa Ficou escrito na lousa Da aula da faculdade Seu descanso era o leito Cabecinha no meu peito Quem sabe pra eternidade Nas profundezas do saber Porque nos dois vamos coser A vida do jeito que for Na paixão mas caliente Que quando se ama se sente O espocar de fogos do amor! Escrito as 09;59 hrs., de 13/10/2017 por Nelson Ricardo

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

A VALSA DOS DESEJOS


O vento que de longe vem Trazendo noticias do meu bem Portando no bico uma carta Que vem encontrar comigo Livrar-me do triste castigo Isso será na próxima quarta Bem na hora do orvalho matinal Ansiedade como esta não tem igual As orquestras já estão preparadas Para quando da chegada dela Que há de desfilar na passarela Na competição de todas as paradas Será sim o desabrochar do amor O romper do broto o botão de flor Dançaremos a valsa dos desejos E eu pisarei sim firme ao solo Carregando minha amada ao colo Para aí sim os preceitos de amor em beijos! Escrito as 15:23 hrs., de 12/10/2017 por Nelson Ricardo

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

O FOGO DOIDO DO AMOR


Assim você apunhala meu peito Nem pergunta se aceito Essa mal dita condição de dor Viaja pelo mundo inteiro Pula o carnaval no Rio de Janeiro E eu aqui morrendo de amor Depois volta simplesmente sorrindo Na hora que estou dormindo No travesseiro de pura pena Aí deita e fica esfregando em mim Esse corpo doido que queima sim Pedindo-me que escreva um poema Acordo ouvindo dizer que me ama Então agente quebra a cama Nos amamos rolando pelo chão Gritas como se estivesse com dor E então a gente enlouquece de amor E no final adormecemos na paixão! Escrito as 19:48 hrs., de 11/10/2017 por Nelson Ricardo

ACORRENTADO


Vivo sempre acorrentado Digamos assim amarrado Com meu coração preso sem piedade Nas profundezas de uma alma Mas procuro manter a calma Pra quem sabe receber a liberdade Acontece que quero continuar preso Carregando meu lampião aceso Pra não perder a felicidade Que toma-me conta do corpo E não sei viver sem esse conforto Desejando que ele seja pra eternidade A pessoa que vive comigo A muito impõe-me o castigo Com ameaça de um beijo na nuca Até já cortou-me a asa Que é para que eu não saia de casa Mas eu não quero sair é nunca! Escrito as 16:51 hrs., de 11/10/2017 por Nelson Ricardo

A FOLGAZONA


E vamos embora dedéu Cai tanta chuva do céu Que não sei no que vai dar Cadê a arca que não passa Quando o amor me abraça Embora eu saiba nadar Estou com um pouco de medo Hoje acordei muito cedo Nos braços da Folgazona Sorrindo de tão feliz E ela ficou na cama Que me engole e me ama Todos os dias ela diz Que eu sou o dengo dela Agora ela está na janela Num sorriso escancarado Me chamando de seu capacho E sabe mais o que eu acho Estou realmente dominado! Escrito as 10:03 hrs., de 11/10/2017 por Nelson Ricardo

terça-feira, 10 de outubro de 2017

QUINZE PRAS TRÊS


Agora são quinze pras três A felicidade de fez Foi numa tarde chuvosa Agora, ta pra desabar o tempo Primeiro a sensação do vento É uma tarde muito nervosa Como nervosa é a bem amada Que está de cara fechada Não demora desata a chorar Dizendo que quer ir embora Que a noite vai dar o fora E. me põe a balbuciar Tentando engolir o choro Que me perdoe o mau decoro Pois eu caí na gandaia Ela disse que comigo não tem futuro Que viver assim é o maior furo Mas eu não vivo sem esse rabo de saia! Escrito as 14:55 hrs., de 10/10/2017 por Nelson Ricardo

SOBRE MESA INESPERADA


A comida temperada com coentro E uma mesa postada ao centro E eu que sou muito comedor Sentei-me ao lado de uma velha Que comia sobremesa de groselha E do lado sentava-se o meu amor Meu Deus que calor que fazia Depois do almoço a companhia Pegou-me pelo braço e me arrastou Para uma salinha quase escura Envolveu-me numa tal de ternura E sua roupa desabotoou Rasgando a minha inteirinha Amada amante nuazinha Que aflorou meu instinto animal Então tive que ceder a pressão Foi um mergulho intenso na paixão Que eu nunca vi coisa igual! Escrito as 10:53 hrs., de 10/10/2017 por Nelson Ricardo

segunda-feira, 9 de outubro de 2017

O DECOTE NA BLUSA DA PALOMA


Uma paloma que cruza Usando um decote na blusa Daqueles de deixar qualquer homem tonto E ainda com uma saia curta Pelo qual meu coração se furta Um assovio de leve e pronto Relacionamento selado Quartinho nos fundos alugado Em meio ao jardim do beija flor Na escuridão da madrugada É numa ilha no meio do nada Ninguém houve os sussurros de amor As curvas feiticeiras da beldade No convexo úmido da felicidade Matéria prima de um poema Tudo aconteceu não sei onde Só o fundo de nossas almas responde Nunca um olhar valeu tanto à pena! Escrito as 10:35 hrs., de 09/10/2017 por Nelson Ricardo

domingo, 8 de outubro de 2017

E AGORA?


Lá vai um passarinho Levando no biquinho Um bilhete pra Suzana Que mora do outro lado Declaro estar apaixonado Ela já disse que me ama Mas vive se escondendo Não anda respondendo Mensagens no celular Telefone sempre ocupado E eu morrendo de apaixonado Pensando até em me casar Na igrejinha da vila Acontece que a Ludmila Vive se esfregando em mim É uma pretinha arretada Que também quer ser minha amada Acho que é a ela que vou dizer sim! Escrito as 16:37 hrs., de 08/10/2017 por Nelson Ricardo

sábado, 7 de outubro de 2017

OS NABOS DA TERRA


Os nabos da terra estão aflorando Porque com o tempo passando Desperta a natureza em flor E o ser humano acompanha a evolução Brotam touceiras de paixão Uma flor que dela nasce o amor E o amor lança suas pétalas ao ar Muitas caiem nas águas do mar Formando sereias de ternuras E pitangas vermelhas na terra Apaziguando os corações da guerra E o mundo tecendo composturas E nasce na terra santa Cada beleza que encanta Do mundo eterno feminino Como Deus fez tudo perfeito! Que apaixona e não tem jeito Quem manda em tudo é o destino! Escrito as 22;04 hrs., de 07/10/2017 por Nelson Ricardo

sexta-feira, 6 de outubro de 2017

A DANADA DA SOFIA


Ta chegando pra meio dia E a danada da Sofia Pode sofrer temporal O tempo ta de alvoroço E depois do almoço Vem o encontro carnal No leito de cada romance Que ela esteja ao meio alcance Para ao nosso encontro carnal Que no seu convexo me encaixo Nem que o mundo venha a baixo Tenho instinto de canibal Posso come-la todinha Ela é muito safadinha Então eu caio como um pato Ela urra como onça pintada Depois dorme estatelada E me deixa morto de quatro! Escrito as 10:45 hrs., de 06/10/2017 por Nelson Ricardo

quinta-feira, 5 de outubro de 2017

SOLIDÃO


A coisa não é fácil não Apanhar do algoz da solidão E clamar a ausência dela A solidão que corrói De dia e de noite dói Eu amo a solidão tão bela De manhã ela bate a porta Vira no calcanhar e volta Para me dar mais um beijinho A solidão é uma tchutchuca linda Que o nosso romance não finda E o que nos une é o carinho Que cada um tem pra dar A gente vive a namorar Tanto de noite como de dia Já mais viverei sem Solidão Formamos um só coração Grudados com amor e alegria! Escrito as 11:21 hrs., de 05/10/2017 por Nelson Ricardo

BRILHO DO SOL


Fazer a poesia da manhã Ainda o chá de maçã Deixa a fumaçinha no ar Na xícara, a mancha de batom De quem agora come um bombom Mas acabou de tomar Na mesma caneca que eu tomo Agora já mastigo um gomo De uma laranja de umbigo De nada disso não me amolo Agora ela senta no meu colo E fica namorando comigo É a morena formosura Lindo poço de candura Que atende pelo nome de Olívia Verdadeiro brilho do sol Que fala bem o espanhol Que um dia roubem na Bolívia! Escrito as 09:43 hrs., de 05/10/2017 por Nelson Ricardo

quarta-feira, 4 de outubro de 2017

MORENA DAS BELAS COXAS


E vamo que vamo minha gente Que por de traz vem gente E eu quero é chegar primeiro Saindo de Belo Horizonte Para chegar em Traz dos Montes E voltar para o Rio de Janeiro Bem na época do natal E rodopiar no carnaval Na Bahia de São Salvador Pra Ilha de Itaparica Eu sei que é por lá que fica O endereço do meu amor Uma baiana arretada Morena da pele bronzeada Eu amo quando dela falo Foi num momento magnético Que assistiamos num trem elétrico E eu vi as coxas de Ivete Sangalo! Escrito as 17:48 hrs., de 04/10/2017 por Nelson Ricardo

SALTO ALTO LÁBIOS VERMELHOS


Aí eu fui chegando de mansinho Ela rebolando no sapatinho Salto alto lábios vermelhos Tinha um batom furta cor E na lapela uma linda flor Então ela me pediu uns conselhos Olhando-me com olhos de contentamentos Começou a expor todos os sentimentos Coloquei-lhe uma flor de jasmim No outro lado da lapela Segurei pela mão e levei-a na capela Ela disse, meu amor não tem fim E é por você que sempre chamo Em sonho falo que te amo Mas agora quero falar na tua frente E expor todo o meu relado Dizendo, se não me quiser, me mato Porque eu te amo eternamente! Escrito as 16:04 hrs., de 04/10/2017 por Nelson Ricardo

terça-feira, 3 de outubro de 2017

DOCINHO NA BOCA


Estava comendo docinhos Que são frutas sem espinhos E a internet foi restaurada Estou voltando à atividade Ai meu Deus que felicidade Nessa tarde ensolarada Os docinhos estão na bandeja Peço que você esteja De volta ao lar doce lar Tem docinhos pra sua boca E minha boca está tão louca Pra sua boca eu beijar Quero a toda lambuzada Sei que voltas cansada Do trabalho do dia à dia Estou aqui pra te recompensar Com paixão, amor e alegria! Escrito as 17:45 hrs., de 03/10/2017 por Nelson Ricardo

segunda-feira, 2 de outubro de 2017

ARRASTADO PELO SONO


Cheguei de fora do mundo Porque tinha mergulhado fundo Na insensatez do melo drama Encontrei o computador bagunçado Não respondendo o mouse e o teclado E sem querer ir para a cama Mexe daqui e mexe dali Facilmente consegui Fazer tudo funcionar Querendo escrever um poema Sobre qualquer tema Assim sem pestanejar Sozinho ao abandono E eis que chega o sono Penso seja o fim De um dia turbulento Então cheguei ao entendimento Que devia ir dormir, sim! Escrito as 21:15 hrs., de 02/10/2017 por Nelson Ricardo

A PALMA DO DESTINO


Não tenho nada e não sinto nada Mas a alma ta incrustada Cheio de um amor sufocado Dentro de minha pobre alma Consultei os traços de minha palma E vi que está tudo marcado O destino que deus me deu Porque ela de mim se escondeu E fica espiando pelas frestas E dando gargalhas na minha cara Ela é de beleza tão rara Que sempre viveu nas florestas Índia de lisa pele bronzeada Minha eterna namorada Sim, isso é pra toda a eternidade Ao anoitecer ela sempre volta Nem que trazida por uma escolta Sem ela não tenho felicidade! Escrito as 10:01 hrs., de 02/10/2017 por Nelson Ricardo

sábado, 30 de setembro de 2017

O SENHOR NOEL


Escrevo então nesse papel Anunciando que o Senhor Noel Já está preparando as malas Lá nos confins do oriente Pra viajar para o ocidente Passando por Paris e Dallas Em direção a América Latina Trazendo de sua cantina Para deixar na Polônia E com destino ao Brasil É o velho de encantos mil Do Rio Grande à Amazônia Batendo as portas do natal Muito antes do carnaval Os festejos de ano novo Festival de comilança Renovaremos a esperança É tudo que almeja o povo! Escrito as 10:36 hrs., de 30/09/2017 por Nelson Ricardo

O SOL AO AMANHECER


No silencio de minha vida Escolho bem a saída Para ver o sol ao amanhecer A aurora que vem surgindo E a lua lentamente sumindo Para a recolha do adormecer É, mais a chuva cai E o intuito não me sai Do pensamento positivo Ascenderei a chama do pensamento Na alma do entendimento Porque é para isso que vivo Se alguém não entendeu nada Eu falo que na madrugada Sonhei muito com o beija flor Na janela à pairar Dizendo para eu visitar Nesse domingo o meu amor! Escrito as 08:27 hrs., de 30/09/2017 por Nelson Ricardo

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

VOLTANDO PRA CASA


Estou voltando pra casa Meu pensamento não se atrasa Quando se fala em romance Eu lanço mão da minha ideia Falando aberto à plateia E quem estiver ao meu alcance Viajando em meu pensamento Remoendo todo o tormento Que mexe com minha cabeça Minha vida me é mui cara E pra mim o tempo não para Mas por incrível que pareça Quero acalmar o peito Mas me agito e não tem jeito Durmo num canto qualquer As vezes fico nervoso Sou romântico e amoroso Meu negócio mesmo é mulher! Escrito as 16:22 hrs., de 29/09/2017 por Nelson Ricardo

A CANOA FUROU


A canoa furou E me mandou Para o fundo do rio E então voltei à tona Fui ao encontro de minha dona Fiquei todo com frio E com a roupa molhada Deixei a namorada Esperando no portão Bati um fio pra ela E fui ao encontro dela No meu querido carrão Ela me puxou pelo braço E me deu um amasso Relatei a verdade Que nela causou pena Então escrevi um poema Cheio de felicidade! Escrito as 10:38 hrs.., de 29/09/2017 por Nelson Ricardo

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

O DESTINO DA TERRA


Mergulhei na escuridão da madrugada Naquela vil estrada No luar de lindas noites Mas era a estrada de longos mares E outros trechos de silenciosos ares Já vivi e chorei pelos piores açoites Que alma viva já mais pode imaginar Da crueldade que um dia eu vi escravizar Que minha própria alma chorou Se Deus criou todas as cores E se a natureza gerou um mundo em flores O homem ainda não modificou Eu sei que os mares choram lagrimas E que os livros escondem páginas Que a história ainda não contou A terra um dia será destruída E em seu lugar outra terra construída A verdadeira terra que Deus planificou! Escrito as 15:29 hrs., de 28/09/2017 por Nelson Ricardo

AS LEBRES DO BAILE


Mais acontece que o baile segue E tem tanta lebre Todas sedentas e bonitas Umas vieram de Nova Yorque E todas adoram um roque Algumas meias esquisitas Com belas cores adornais Porque nem todas são iguais Aos pezinhos das meninas E eu caminhando na alameda Pra ver se apago a labareda Que me queima nas esquinas Falenas atrás e mim Dando vida ao jardim Onde nos encontramos agora Quero fugir dessa situação Voltar para a minha solidão O galo velho vai dar o fora! Escrito as 10:53 hrs., de 28/09/2017 por Nelson Ricardo

NO CRESCENTE DA ESPERANÇA


No crescente da esperança Aqueles tempos de criança Vão ficando cada vez mais longe Então o tempo vai passando E tudo, mais tudo mesmo escoando E cá estamos no dia de hoje Cabelo branco e de bengala Sentado no sofá da sala Assistindo televisão E cantarolando sozinho Cada poema, cada versinho Tentando absorver a solidão E conformado com a realidade Dos dias loucos da cidade Conferindo as vias de um mapa Preste a atenção meninos Que a dura realidade do destino Disso ninguém escapa! Escrito as 09:41 hrs., de 28/09/2017 por Nelson Ricardo

quarta-feira, 27 de setembro de 2017

NAS ASAS DA POMBA BRANCA


Penso que agora tudo vai Pra Montevidéu no Uruguai E de lá, Buenos Aires e Lá Plata Nas asas da pomba branca Se o fim do mundo faz carranca O piloto fala e relata Que já estamos chegando perto E amanhã por certo Estaremos em Santiago Que é a capital do Chile Vou de avião ou de uno Mille Eu compro passagem e pago Atravessarei os Andes Bata um fio e me mandes Dizer que me espera no aeroporto Para o chá com pão e queijos Quero sorver os teus beijos E desfrutar desse belo corpo! Escrito as 16:32 hrs., de 27/09/2017 por Nelson Ricardo

terça-feira, 26 de setembro de 2017

UMA PAIXÃO QUE NOS QUEIMA


Cansado de tanto caminhar Hoje à tarde na beira do mar Cada lance e cada história Nos vitrais do bom saber Procurando entender O disco da minha memória Eu já não agüento mais Decorar todos os sinais De que o homem vai descer E bater em cada porta Porque pra ele nada importa Se logo vai escurecer Mas eu quero comer docinhos E meigos beijinhos Da boca do forno quente Que é o amor que nos queima E a paixão que insiste e teima Num amor puro e inocente! Escrito as 16:56 hrs., de 26/09/2017 por Nelson Ricardo

A POESIA PEDE LICENÇA


A poesia pede licença Por que a vontade é imensa De extravasar na cultura Mergulhando na ilusão No motor da inspiração Com delicadeza e doçura E vamos embora paixão Mulheres do Afeganistão São Francisco na Califórnia Fico feliz e não nego Ou na cidade de Caixa Prego A capital da Esbornia Mas chega de conversa fiada Vou pegar minha namorada Que dá aula no colégio A mais linda professora E também muito sedutora Que me deu tal privilégio! Escrito as 10:21 hrs., de 26/09/2017 por Nelson Ricardo

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

DO CÔNCAVO AO CONVEXO


Agora tenho que poetar Preciso esboçar Algo que realmente valha à pena Inspiração nem sei de onde Mas meu anjo da guarda responde Pra eu fazer nascer um poema Com profundo fundamento E um pouco de sentimento Que vai do prazer à dor Desde a tristeza à alegria Um ponta pé na utopia E um beijo nos lábios do amor Abraços no corpo nu da paixão Aos sussurros de prazer do coração Num leito de amor qualquer Sorrisos em larga escala Que o verdadeiro amor exala Do côncavo ao convexo da mulher! Escrito as 19:57 hrs., de 25/09/2017 por Nelson Ricardo

OLHOS LINDOS DA COR DO MAR


Olhos lindos da cor do mar Que nasceu para brilhar No oceano de meu ser Eu te falo de peito aberto Quero-te sempre por perto Sem você não sei viver Com saudades de você agora Quatro horas, chá de amora E pudim de sei lá o quê Tira-me de tal castigo Venha logo estar comigo E desliga essa teve O céu parece um lençol Vamos à praia ver o sol Na hora em que ele se por Convido-te pra caminhar O por do sol a admirar Quero declarar-te o meu amor! Escrito as 16:02 hrs., de 25/09/2017 por Nelson Ricardo

domingo, 24 de setembro de 2017

DESFOLHANDO


Nas estalagem deste mundo a fora Minha chegada não tem hora Se chegar sei que chego bem E se não chegar durmo na picada De onde passa a estrada Porque perigo nunca tem Se caio n’água puxo o nado Na barranca fico sentado Desfolhando o mal me quer Minha paixão desenfreada Levo sempre a namorada Belo exemplar de mulher Que desfila na berlinda A cada dia mais linda O que que posso fazer Sou privilegiado por Deus Ela caiu nos braços meus Meu poço de ternura e prazer! Escrito as 15:15 hrs., de 24/09/2017 por Nelson Ricardo

sábado, 23 de setembro de 2017

A LEI DE SER FELIZ


A primavera renasce Na horta floresce a alface A mata fica colorida Sem tristeza nenhuma Então o povo se apruma Festejando sempre a vida Porque a vida é o que vale Se alguém não gostar que fale Dizendo o que está sentindo Ta precisando de carinho Mas por favor fale baixinho E não fique aí mentindo Dizendo que não tem nada Porque na época da florada O coração fala e diz Bola pra frente gente fina Não fique atrás da cortina Porque a lei é de ser feliz! Escrito as 09:57 hrs., de 23/09/2017 por Nelson Ricardo

sexta-feira, 22 de setembro de 2017

MARGUERITE DE BIQUINI


Eu não tenho compromisso Não to nem pensando nisso De que hoje é sexta feira Estou só na banana esplite Eu mais a Marguerite Detonei a taça inteira Na sorveteria do pedaço Depois disso o que é que eu faço Pego a moça ao meu lado Levanto ela do solo E carrego no meu colo Até o barco prateado Navegar na enseada Beijar todinha a namorada De biquíni multicor Que perfuma meu coração Quase em chama de paixão Pra casa, fazer amor! Escrito as 15:28 hrs., de 22/09/2017 por Nelson Ricardo

UM CHÁ DE AMORA


Se eu nasci pra fazer verso Nesse mundo cruel e perverso Vamos por a mão na massa O melhor, no teclado Com um chá de amora do lado A hora é um tanto escassa E o relógio nem para A vida me é sempre cara O alto preço do bom viver Estou num barco a remo Pra navegar a um outro extremo Fazer turismo e conhecer Almas de outro continente Ponho o meu peito pra frente No vento da liberdade A solidão não me assusta Se o bom viver muito custa O que importa é a felicidade! Escrito as 09:27 hrs., de 22/09/2017 por Nelson Ricardo

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

MEU DEUS COMO TE AMO


Meu Deus como te amo Passa ano e vem ano E a saudade não passa Coração sangrando de dor Onde está você meu amor Que não me beija e não me abraça Ouvindo Rita Pavone Cantando linda cancione Numa manhã serenada Com sol abrindo seus raios Lá se vão muitos maios Sem minha querida amada Meu coração se solta Ao saber que você volta Seja no dia que for Quem sabe na primavera Marco de mais uma era Para selarmos nosso amor! Escrito as 08:44 hrs., de 21/09/2017 por Nelson Ricardo

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

DESDE O MÊS DE FEVEREIRO


O carnaval está longe ainda Mas você está tão linda A mais linda do lugar Nasceu pra brilhar na avenida És a colombina mais querida E eu nasci para te amar Você se quer me conhece Mas em tudo se parece Nasceu pra ser alma gêmea Nunca chegarei a te conhecer Mas eu nasci pra te merecer E tu, para ser minha fêmea Eu chorei o ano inteiro Desde o mês de fevereiro E irei continuar chorando Mas fazer o quê, Continuarei te vendo na TV E eternamente te amando! Escrito as 17:08 hrs., de 20/09/2017 por Nelson Ricardo

OS OLHOS AZUIS DO MAR


Ta começando esquentar Música americana a toucar Na minha caixa moderna Queria ir ver o desfile No meu querido uno Mille Mas não saio da caserna Enclausurado na solidão Mesmo ainda longe do verão Temos a presença da quentura Os olhos azuis do mar E aquele navio lá longe a passar Mandando-me uma nesga de candura E eu penso que é pra lá que vou Aquela mãozinha me acenou Ela que um dia já foi meu amor Larguei-me assim mesmo ao nado Para os braços dela transladado Pra ver se tiro do peito essa dor! Escrito as 09:37 hrs., de 20/09/2017 por Nelson Ricardo

terça-feira, 19 de setembro de 2017

A ORQUESTRA DO PIO PIO


Mas então ta muito bom Amanhã teremos o som Da passarinhada no mato A orquestra dos pio pio O dia de hoje já sumiu Foi engolido pelo gato O amor floresce com a prima Que no poema da até rima Amanhã será o marco de uma era Lavaremos as escadarias E eliminaremos as utopias Que é pra recebermos a Vera Minha prima interessante Que desce da escada deslizante Desde a época que era Ela vem da banda oriental Florescer o mundo ocidental Abriremos os braços para a primavera! Escrito as 19:39 hrs., de 19/09/2017 por Nelson Ricardo

AS FRUTAS DE AMORAS


Ontem eu colhi frutas de amoras E hoje estou colhendo as horas Dos tais pecados das tentações E vou colher os beijos da tua boca Tu és um pouco madura e louca E eu me rendo as emoções Já capinei o pátio de tua casa Sou um frangote sem asas Que durmo em cima do arco Iris Dirijo um caminhão da Fargo O meu café me deste amargo Numa caneca sem pires Mas me ofereceste a boca Eu nasci de uma veia louca Por isso sou espiloteado A noite já está chegando E eu já estou me preparando Para logo estar ao teu lado! Escrito as 15:53 hrs., de 19/09/2017 por Nelson Ricardo

O AMOR É TUDO


Começa mais um desafio Perguntei ao meu tio Onde está minha namorada Ele me disse que não sabia Mas que viu numa folia Ontem na madrugada Ela veio então chegando Sem mais nem menos me abraçando E me pedindo perdão Eu estava com cara de bunda E ela com a roupa imunda Eu disse, perdoo não Ela falou que se perdeu E que tudo aconteceu E que caiu numa poça Fiquei louco de desejos E tasquei nela uns beijos Conosco não há quem possa! Escrito as 10:22 hrs., de 19/09/2017 por Nelson Ricardo

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

VESTIDO DE PAETÊ


Nesse vestido de paetê Eu entendo que você É a mais linda do mundo Sem dúvida nenhuma Em suma Eu mergulho fundo Para dizer que te amo Logo que acordo te chamo Com mensagens ao celular Whatsapp e coisa e tal Porque desde o carnaval Que começamos namorar Você aprisionou minha vida E eu fiquei sem saída Pensem o que quiser Não quero outro coisa se não Invadir seu coração E te seqüestrar mulher! Escrito as 15:59 hrs., de 18/09/2017 por Nelson Ricardo

BEIJA FLOR DA PAIXÃO


A rosa vermelha é a flor O símbolo real do amor A rosa não é uma flor qualquer Ela é do gênero feminino Que tem o talo colorido e fino A rosa representa a mulher E a mulher é a criatura sagrada Que Deus mandou embalada Para andar ao lado do homem A rosa é o símbolo da ternura O homem comete travessura E abandona a mulher e some Isso com raras exceções Salve, salve os corações Que pulsam de emoção Eu não simpatizo com a dor Nasci fadado ao amor E me chamo Beija flor da Paixão! Escrito as 10:33 hrs., de 18/09/2017 por Nelson Ricardo

domingo, 17 de setembro de 2017

O SILENCIO DIZ TUDO


Só o silencio é que fala No momento aqui na sala Com livros pra todo lado As letras e os papeis Eu vendi os meus anéis E ontem fui condecorado Com as luz dos olhos teus Que pelos feitos meus Tenho medalhas no peito Seu amor me enfeitiçou A pomba da paz pousou Ainda que meia sem jeito Trazendo-me o seu recado Estou com tudo preparado Pra hora que você chegar E se quiser se olhar no espelho Pintar os lábios de vermelho Pra depois eu te beijar Escrito as 14:36 hrs., de 17/09/2017 por Nelson Ricardo

sábado, 16 de setembro de 2017

PEDRA BRILHANTE


Eu já sei que meu dilema É de escrever algum poema É o que melhor sei fazer Eu sento-me agora Porque está na hora De voltar a escrever Chove chuva sem parar E os ponteiros a girar Do relógio que não para A cor do mar é azul diamante Aquela pedra brilhante Sem dúvida uma joia rara Como seus olhos a brilhar Morena que sabe sambar Carnaval o ano inteiro Sempre te vi na teve Eu quero estar com você No carnaval do Rio de Janeiro! Escrito as 19:32 hrs., de 16/09/2017 por Nelson Ricardo